Esclerose Múltipla

Doença do sistema nervoso central, ainda sem cura, muitas vezes incapacitante e que atinge mais de 2,5 milhões de pessoas em todo o mundo², segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS).

A Esclerose Múltipla apresenta sintomas como dormência nos membros, esquecimento, paralisia ou perda da visão. Em 2015, lançamos no Brasil duas novas terapias para Esclerose Múltipla, uma delas resultado de mais de 20 anos de pesquisa. Em 2017, o primeiro medicamento com administração oral para o início do tratamento da doença, da Sanofi, foi incorporado ao rol de medicamentos do SUS.

A esclerose múltipla pode acometer desde crianças até pessoas mais idosas, porém, a maior parte dos pacientes está na faixa dos 20 aos 40 anos. Esta costuma ser a fase mais produtiva da vida.

Embora a esclerose múltipla se desenvolva e se manifeste de forma diferente em cada indivíduo, há quatro formas gerais:

Recidivante Remissiva - é o tipo mais comum de esclerose múltipla. As pessoas acometidas por ela experimentam ataques de piora na função neurológica, chamados de “recidivas” ou “fulgores”, que são seguidos por períodos parciais ou completos (remissões);

Progressiva Secundária - após um período inicial de esclerose múltipla recidivante-remissiva, muitas pessoas desenvolvem a forma progressiva-secundária, que apresenta piora de forma mais estável, com ou sem fulgores ocasionais, pequenas recuperações (remissões) ou planos;

Progressiva Recidivante - Nessa manifestação relativamente rara, as pessoas experimentam uma doença em evolução estável desde o início, mas com ataques claros na função neurológica. As pessoas podem ou não experimentar alguma recuperação após as recidivas, mas a doença continua a progredir sem remissões.

Sinais e Sintomas

A esclerose múltipla é, às vezes, chamada de “doença de floco de neve”, porque nenhuma pessoa a experimenta exatamente como outra pessoa. Para a maioria, os sintomas desaparecem e retornam conforme elas passam por recidivas e períodos de recuperação parcial ou completa.

Alguns dos sintomas mais comuns no estágio inicial incluem:

  • Fadiga;
  • Alterações visuais;
  • Formigamento ou dormência nos braços ou pernas;
  • Perda da coordenação ou equilíbrio;
  • Fraqueza muscular;
  • Disfunção cognitiva com memória, foco e capacidade de solução de problemas.